sexta-feira, 4 de novembro de 2016

Gratidão

Tenho relido e repensado ultimamente em muitas coisas na minha vida, e acho que a palavra de ordem é, gratidão.
Gratidão porque eu vivi por um longo período de tempo em uma nuvem obscura e triste, que me fez pensar muitas coisas ruins e achar que no mundo não existia mais nada de bom que pudesse agarrar, e no entanto, as coisas vem melhorando gradativamente de uma forma mágica.
É mágico abrir os olhos de manhã e sentir um alívio imenso por ir trabalhar em um local de que se gosta e fazer o que se ama.
Sabe, eu estava no ponto de jogar tudo para o alto, as coisas estavam insuportáveis...
Do dia pra noite eu tinha tudo e perdi, eu tinha um amor, uma razão de viver maravilhosa e alunos que me amavam, e de repente perdi tudo, me senti sem chão, e Deus, vou te dizer, foi uma das piores fases da minha vida, viver tudo aquilo absurdamente sozinha foi torturante.
A pessoa que eu mais amava no mundo virou as costas para mim, completamente incompreenssível da situação em que eu me encontrava... Eu só precisava de amor e carinho, e você me deu dor e sofrimento.
Foram tempos difíceis, aqueles.
Eu já passei fome, já passei por uns pedaços ai que até o santo desconfia, mas essa fase foi a mais dura, com certeza.
Eu odiava o que fazia, odiava as pessoas ao meu redor, odiava o horário da minha vida, odiava não ter quem eu amava me apoiando e o quão egoísta tudo isso tinha sido, eu odiava e só queria saber de deitar e chorar, chorar até virar pó e sumir dali, sumir daquilo tudo.
Não, eu não fui em um profissional, para algumas pessoas isso pode resolver, para mim, apenas seria algo a mais que eu teria de me preocupar... Não, a melhor coisa era refletir comigo mesma e entender aonde estava indo.
E foi exatamente isso que eu fiz, eu simplesmente fui, segui o fluxo e deixei rolar, deixei a onda me levar para onde ela bem quisesse e sabia que uma hora eu acabaria em algum lugar.
Hoje eu tenho um emprego que amo profundamente, e embora eu tenha que me despedir dele obrigatoriamente, eu sou muito grata por tudo o que ele me proporcionou, as pessoas que conheci, as experiências que vivi, da ânimo para seguir em frente de cabeça erguida.
Se hoje eu sou uma pessoa feliz, eu devo muito a este momento da minha vida, em que eu cai e fui até o fundo do poço, onde existia uma cama elástica que me jogou para cima novamente, então, por todos os bons momentos, eternos no meu coração, muito obrigada!

Jéssica Curto

Um comentário: