sábado, 7 de março de 2015

Dois Laços

Meu corpo esguio esquece toda a ética

Ao notar a sua essência poética,

No caminho ao encontro de seus lábios,

Que deixarão os meus muito mais sábios.


Que a minha postura, dita patética,

Nunca esmague tanto amor em pedaços,

Que a minha humilde compleição e estética

Jamais possa abrandar nossos amassos.


Pode o amor sumir pela força atlética

Que me falta? Isso gera embaraços? 

Não. E nem restam dúvidas posteriores 

Como já vi em outros amores depois,


Pois,
Não penses que é pura questão fonética

(Embora entre beijos existam dores) 

Que ajusta estes versos a seus espaços:

Ao navegar no mar da dialética

Inerente ao calor de seus abraços,

Vejo não ser de forma alguma cética

A união sem pudor de nossos braços.


Uma relação é mais que imagética,

É a reciprocidade de dois laços.

Rafael Cardoso

Nenhum comentário:

Postar um comentário