terça-feira, 22 de dezembro de 2015

Red Rabbit - Análise SEM SPOILERS de Star Wars - O Despertar da Força

Star Wars finalmente foi lançado!!!!! \o/
E eu venho aqui com um super vídeo que o canal Follow the Red Rabbit fez analisando o filme inteiro sem dar NENHUM spoiler pra você!! 
Eu tenho certeza que qualquer bom fã vai amar esse vídeo, então de logo o play e divirta-se!!! ;)

Beijos,


Jessica Curto


Red Rabbit - Festival das Cerejeiras

Oi pessoal, 

venho trazer um vídeo super legal que o canal Follow the Red Rabbit fez sobre o festival das Cerejeiras deste ano de 2015, espero que vocês gostem tanto quanto eu gostei destas lindas flores e apresentações formidáveis!!

Beijos,

Jéssica Curto

segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Especial VAMPS!!

Oi pessoal,

tudo bem com vocês? 
Espero que sim, porque eu estou suuuuper ansiosa para o show do VAMPS aqui no Brasil!!! 
E para demonstrar a minha alegria, venho compartilhar com vocês, os meus leitores queridos, esse vídeo sensacional do vlog Follow the Red Rabbit falando um pouquinho sobre essa banda formidável para todos os fãs e para todos os que desejam conhecer uma boa música!! ;)

Espero que vocês gostem!!

Beijos,

Jessica Curto



quarta-feira, 2 de setembro de 2015

Follow the Red Rabbit no Festival do Japão 2015

Oi pessoal,

tudo bem? Hoje venho trazer para vocês um vídeo muito legal do Follow the Red Rabbit sobre Festival do Japão que teve esse ano, espero que vocês gostem!!

Beijos,

Jessica Curto

sexta-feira, 21 de agosto de 2015

Banda VAMPS no Brasil!!


Oi pessoal, tudo bem com vocês?

Espero que sim, porque comigo está tudo ótimo!!!! Venho aqui super feliz divulgar uma notícia fantástica para todos os fãs de j-rock e de cultura japonesa, a banda VAMPS virá ao Brasil!!! \o/
É isso mesmo galera, a vontade de vocês foi realizada e todos aqueles apaixonados pela boa música do Hyde poderão concretizar o seu tão querido sonho no dia 27 de Setembro no Espaço das Américas em São Paulo.
Ai Jéssica do céu, amei a notícia, mas onde eu compro os ingressos?
É muito simples, é só clicar aqui que você já será direcionado para o site do ticket 360 onde estão vendendo os ingressos do show.
Ai Jéssica mas eu ainda tenho dúvidas de qual ingresso comprar e se posso pagar meia...
Calma, calma, o pessoal do street team da banda já pensou nisso tudo e montou uma explicação supimpa para você entender um pouco melhor como funciona, basta você clicar aqui e ver tudo lá no facebook!! ;)
Caramba Jé tudo isso é sensacional, mas eu não moro em São Paulo e agora?
Relaxa!! As caravanas estão prontas e disponíveis para você também, aqui você encontra tudo sobre elas e pode interagir com todo o pessoal que gosta da banda também!
Espero que tenham curtido e que aproveitem desse show que promete ser SENSACIONAL!!!! 

Nos vemos lá pessoal!! 

Um beijo, Jéssica Curto

quinta-feira, 16 de julho de 2015

Voltar a escrever

Ando escrevendo pouco, acho que o que mais anda me faltando é um bom teclado para poder bater os dedos enquanto escuto aquele típico barulhinho tão empolgante, mas mesmo assim ando escrevendo.
Me prostro sobre o teclado do celular e digito o melhor que posso, ouvindo o somzinho que não chega a ser igual nem prazeroso quanto o de um teclado tradicional, mas o importante é que ando escrevendo.
Bem ou mal as ideias andam fluindo e acho isso de extrema importância, devemos sempre regar os nossos amores e eu  andava há muito afastada deste meu.
Tivemos uns desentendimentos, cada um foi pra um lado e eu achei melhor me afastar, tantas coisas ocorreram... Mas agora ele está voltando e aos poucos me dominando novamente... Se dessa vez irá durar ou se será mais uma experiência passageira? Quem sabe, o que importa é escrever, e eu meus caros, estou escrevendo!! 

Jessica Curto

segunda-feira, 4 de maio de 2015

Red Rabbit - Comemoração do dia de Star Wars!! \o/

Oi galera,

tudo bem com vocês?? Espero que sim!!

Dessa vez venho trazer um vídeo super legal que a youtuber Koi fez para homenagear este dia tão incrível, que é o dia de Star Wars!!!

Está deliciosamente bonito ;) 

Beijos,

Jéssica Curto.




sábado, 2 de maio de 2015

Red Rabbit - The Avengers

Oi pessoal, 

tudo bem??

Dessa vez a Koi fez uma análise sobre o último filme d'Os Vingadores - A era de Ultron, e ficou foooood******!!!
Espero que gostem :) 

Beijos,

Jéssica Curto.

sexta-feira, 1 de maio de 2015

Red Rabbit - Poltrona D-BOX: Como funciona? Quanto custa? Vale a pena?

Oi pessoal, a Koi publicou mais um vídeo, agora sobre as poltronas D-BOX, se você quer saber um pouco mais sobre, veja o vídeo abaixo!! 

 Beijos, 

Jéssica Curto.

quarta-feira, 22 de abril de 2015

Ensinamento

do que me adianta gostar de batata se é o arroz que como todos os dias?
do que me adianta imaginar os cafezais se é dos concretos que viverei?
do que me adianta pensar nas abóbodas arroxeadas se será da claridade cinzenta de que me contentarei?
de nada para mim vale as conjunturas astrais se ao chão estou presa...
de nada para mim vale a tortura se o final já é certeiro...
dor vem e vai, o importante é o ensinamento.

Jessica Curto

terça-feira, 14 de abril de 2015

Red Rabbit em: HULK Drinks (Especial Avengers)

Oiii pessoal,

tudo bem?
Hoje venho trazer mais um vídeo incrível da minha irmã, dessa vez com a temática Avengers, espero que gostem!!!

Beijos,

Jessica Curto

domingo, 5 de abril de 2015

Red Rabbit o novo e mais incrível vlog do youtube!

Oiiii pessoal, 

tudo bem com vocês???
Espero que sim, porque eu estou RADIANTE!!!!
Minha irmã mais velha resolveu se enfiar nesse mundo de Vlog e criou o Red Rabbit, um vlog DIY (tutoriais "faça você mesmo") bem interessantes, culinária geek, dicas e enfins. 

O primeiro vídeo já saiu e está suuuuper interessante, então vejam, comentem, compartilhem e divirtam-se!! ^_^

Beijos,

Jéssica Curto.

quarta-feira, 18 de março de 2015

Encontro no Busão

Moço, o que você pensa?

Detrás dessa face inexpressiva,

escondendo-se por esses olhos vazios...

Moço, o que você sente?

Dentre as batidas de seu coração,

oculta-se um misto de sentimentos...

Moço, o que você almeja?

Quais desejos ardentes

tencionam seus passos?

Moço, o que você possui?

Será que os bens que carregas

não o torna dependente?

Moço, o que você sabe?

Que segredo suas sinapses,

memorizam sem jamais olvidar?

Eu não percebo sinais de resposta,

pois o acesso não me é permitido.

Eu sinto apenas um mundo,

porém o toque não me é permitido.

O encontro é breve, o instante é preciso,

E eu te vejo partir, te deixo partir,

pois no fundo, no fundo mesmo,

nada disso realmente importa.

Rabiscá-lo-ei da memória

afinal isso é, exclusivamente,

Um encontro no busão...

Lucas de Figueiredo

terça-feira, 17 de março de 2015

Eu quero uma casa na praia

Eu gostaria de uma casa na praia, mas esse sonho é apenas outra mentira. Contudo, esse desejo não é de todo mito, pois a casa não precisa ser na praia.

Não reparo em tamanhos, não percebo espaços. Quero paredes pintadas com lágrimas de meu pranto e decoradas com o sorriso de minhas gargalhadas.

E eu quero dar festas. Comemorações com direito a balões enchidos de respirações passadas e velas que reluzem sonhos futuros.

Nos finais de semana quero piqueniques nos dias quentes e cobertores quando o frio chegar. Ao término de grandes atividades, almejo a sensação de deitar-me no sofá numa sexta à noite e relaxar, mesmo sabendo da louça que me espera para lavar no sábado de manhã. Pela madrugada afora, quero ver as estrelas antes de fechar os olhos, assim como espero sentir os raios de sol antes de me cegar com seu brilho ao desafiá-los, no ato de fitar diretamente o grande astro ao surgir da aurora.

Eu quero um lugar meu, mas que eu possa receber visitas. E no final gostaria de vender essa casa para alguém que também a deseja, pelo preço de poder viver, por ao menos um único dia, em sua companhia. Nessa casa, nessa vida, nesse mundo...

Lucas de Figueiredo

segunda-feira, 16 de março de 2015

Vidro Emoldurado

E novamente estou olhando para o pedaço de vidro emoldurado. Eu não sei o que pensar ou como agir, pois não sei por onde começar. O passado não me mantém sobre sua base e o futuro me arranha com suas incertezas. Pensar dói. Eu poderia traçar planos, coordenar atitudes ou matar o tempo, mas nada disso me apetece a alma. Eu não quero comer, não quero dormir, não quero jogar. Sinto-me perdido e só, mas isso não me deixa triste, porém entedia-me a ponto de me confundir os miolos. Eu sinto medo, mas não é um medo qualquer como aquele de dormir no escuro. É um medo gerado por incerteza, que brota do fundo da barriga e vai gelando, pouco a pouco, toda a parte de cima do corpo. É o medo de estagnar, da involução e da desmotivação da vontade de viver. Eu não tenho medo do futuro, nem do passado e muito menos do presente. Eu tenho medo de mim. De me tornar algo que eu não gostaria de ser. De sentir emoções que não estou preparado para sentir. E não há mais tempo para indecisões. Os conceitos podem permanecer ou serem quebrados de vez, mas somente eu poderei dar o primeiro passo. E eu não estou pronto para decidir. Não sei o que dizer e desconheço os sentimentos mais complexos que afloram de mim e não compreendo como devo passá-los adiante.

Eu estou numa rua deserta, no meio da escuridão que assola a madrugada. Não há casas, não há arvores e não há vida. Somente meu corpo habita esse mundo sinistro. Não quero andar, mas sinto que não posso continuar onde estou. Sinto que não pertenço a este lugar, mas qualquer outra localidade é mais estranha que esta. Eu preciso me decidir, mas eu não quero, eu não vou, eu não devo, eu não posso.

Eu não sei o que escrever também, pois quando me olho no espelho eu não vejo ninguém.

Lucas de Figueiredo

domingo, 15 de março de 2015

Sinfonia da Vida

A redoma de gelo quebrou e seus fragmentos voaram ao som do vento. O vento que liberta, dá suporte ao vôo e entrelaça os corpos com a melodia sinfonante da vida.

Ao som de meus passos eu andei durante horas sabendo apenas para onde ir. Não sabia a hora do retorno nem fazia ideia de como agir e o que sentiria ao trilhar por aqueles caminhos. Não me passou pela cabeça que talvez não houvesse retorno.

Vi e conheci gente nova. De todos os tipos, de todas as raças e com as mais diversas intenções tatuadas no corpo e na mente. E eu conheci você.

Seus cabelos suados não balançavam muito com o vento e sua voz não podia ser ouvida direito no meio do som e da algazarra da festa. Mas eu sentia suas intenções e pensamentos... Eu te sentia. É claro que eu posso estar errado em afirmar isso, mas é o que eu ainda penso. E eu sinto a saudade de teus lábios, de teu toque, tuas palavras, gestos, atitudes e pensamentos. Sinto saudade de barulho que fazia lá fora, pois embora ele apagasse uma parte de sua voz, ele me fazia entender aquele mundo novo ao qual eu estava a um passo de fazer parte.

E eu quero voltar, pois agora estou liberto. Sem medos, sem ressentimentos e finalmente com o conhecimento que eu precisava ter sobre meu corpo e minhas emoções. Não vejo a hora de encontrá-lo novamente e sorrir ao sentir o calor que borbulha em meio as nossas vidas. Nossa vida é o vento, a festa alegre na qual estamos é o calor que nos aproxima e a paixão presente no meu peito me encanta e alucina...

A redoma de gelo quebrou e seus fragmentos voaram ao som do vento. Enquanto isso, meu amor por você escapa do corpo e flui para o universo. Livre e feliz, enlaçado com a melodia sinfonante da vida.

Lucas de Figueiredo

sábado, 14 de março de 2015

BREVE ANÁLISE DA VIDA

Nós e a vida,

Esse eterno pensamento,

É uma troca sentida e permeada

de amor e sofrimento.

Nas noites em claro,

numa festa sem bolo,

no adeus sem consolo

Ela está sempre lá,

transeunte:

pergunta

o que

sonhar

para a próxima

rodada.

E tu, navegando a

estrada do nada,

É que a vês, muitas

vezes sem roupa:

nessa hora a culpa

é pouca, e a visão da

vida, embora bela,

é também sutil e louca.

E achando que

a compreendeu,

é que um dia

a tua luz se

apaga.

Não é a morte

que traz a

verdade:

traz apenas

o fim desta

realidade, e a

fagulha de

mistério

chamada totalidade.

Rafael Cardoso

sexta-feira, 13 de março de 2015

FUNCIONÁRIO DO POEMA PÚBLICO

Bordoadas protocolares

Levam um sujeito à concordata?

Conhecer as gerências do pensamento

Não resolve a incompetência

do coração.

O coração e o seu embate com os procedimentos operacionais.

O sistema está fora do ar,

O desejo de ser, fora de meus pés,

Saudades da endorfina, essa

deusa dos neurônios febris.

Hoje ausente em instrumentos normativos.

Estou em débito com os auditores

da moral, perdi o documento,

perdi a gestão do meu

contrato de vida.

Além dos pedidos de serviço,

dos recados a serem respondidos,

dos chamados dos homens no balcão,

ficou pendente também

algo que fica lá dentro,

algo que deixa o Sol mais claro

E o Metrô menos cheio. Algo em

Que não sei mais se creio.

O Natal chega e as pessoas felizes,

Eu espero por oito horas de sono.

Sentir em mim

Toda a ambivalência

Da escolha segura

E voltar pra casa

Outra vez macambúzio...

Que experiência profunda,

Que experiência terrível,

terrível e silenciosa.

Na curva do espaço,

O tempo se distorce

E vira mistério saber:

Saber o quê, para quem

E para quando.

Interligado a um sem fim de lugares,

Meu corpo sem alma

perde a referência

com que julga

As coisas e as palavras.

Rafael Cardoso

quinta-feira, 12 de março de 2015

A CASA COMO MERO DORMITÓRIO

Será que ainda há tempo

Para dar uma passada em casa

E dizer a si mesmo

Que pouca coisa mudou?

Que a vontade de amar

E o desejo de ser

Ainda se confundem

Numa entidade tão dinâmica?

Bordoadas protocolares

Podem levar o sujeito

à concordata? Espero em Deus que não.

E pensar que eu sabia da ambivalência

Contida na promessa de vida estável. Nem tão estável assim...

A tantas situações,

O meu mais belo desprezo.

Rafael Cardoso

quarta-feira, 11 de março de 2015

A PERDA DA TRANSCENDÊNCIA

Como é ficar longe

De algo que se quer tanto

Por tanto tempo?

Como é mergulhar em

reminiscências e sentir perder

a aura dos tempos áureos?

É duro, meu amigo. É como

Se uma louca, traiçoeira

Tanto quanto silenciosa,

Invadisse o coração da gente

Na surdina, sem barulho.

Aos poucos, sem dar o menor aviso de intromissão,

altera a composição dos neurônios

e impõe cimento às janelas

do pensar.

O lirismo pede exílio,

A alma endurece,

O olhar simplesmente se esquece

das inúmeras possibilidades

da realidade múltipla.

Assim, no fim das contas,

só resta o prazer da carne crua,

da imagem fácil,

da palavra sem dose de

mistério.

É duro, amigo, estar e não

estar ao mesmo tempo

na realidade

e viver uma vida psicológica

de pobreza e isolamento.

Rafael Cardoso

terça-feira, 10 de março de 2015

FORÇA DA PALAVRA

Eu queria que a palavra seguisse seu rumo ligeiro;

Sem semáforos de pensamento. Que ela fosse

fluída como a vida e esse momento. Que ela

dissesse tudo quanto queremos expressar. Pena

que a palavra cai da árvore e é preciso

revisar. E revisando vejo que digo

- não o que há comigo – mas com todos nós.

Afinal é a palavra que supera o tempo

e a vibração da nossa voz.

Rafael Cardoso

segunda-feira, 9 de março de 2015

Nada será como antes

Os sonhos cessaram de me perturbar a noite. Deve ser um bom sinal. Você pediu tanto a minha paz e a sua. Agora ambas foram atendidas. Os dias de insônia já não pertencem a esta mulher. Afinal, quando você me conheceu, ainda menina, eu apenas sonhava.

Ainda me pergunto se você se arrependeu das últimas palavras ditas em uma noite de sexta-feira quando os comércios estavam abertos e era possível falar um pouco mais alto, sem problema de acordar algum vizinho.

Pensei que seria mais difícil suportar a solidão. Mas escrevo poemas para libertar o amor que insiste em morar em mim. Abandonei a culpa de ter te perdido.

Será essa dor ter se transformado em inspiração?

A angústia e o desespero fazem parte do passado. Hoje consigo ler um livro e entender as frases que desencadeiam toda uma história. Consigo lembrar-me de um passado sem a vontade de correr atrás dos momentos que um dia me fizeram feliz.

Paz. Acredito que essa seja a palavra que melhor defina meu estado de espírito. Já não tento mais decifrar meus erros como enigmas. Prefiro pensar que estava errada em pensar que fosse dona do meu destino.

A vida irá passar. Já não posso mais perder os segundos. A cada amanhecer, arrancam-me um dia.

É tantos quereres! Pego-me diante de planos comigo e eu mesma, sem pensar em mais ninguém.

O gosto do beijo jamais será igual. Nada será como antes. Um suspiro deixou de ser um último ato, após a nostalgia tomar conta de mim, ele passou a ser simplesmente uma sensação de fadiga.

Mas mesmo que meus pés estejam cansados, eu correrei a um novo amor. Será por fazer. Porque tem que ser feito. Dito. Sentido e mais que isso, amado.

Vanessa Silva

domingo, 8 de março de 2015

Finado amor, eu te amo

Hoje recebi uma carta, do qual um assunto foi nomeado de fim. Pois é, esse era seu título. Como uma palavra com apenas três letras pode traçar o destino de duas pessoas?

Sim, eu sei. A palavra é pequena. Mas já parou para perceber que as menores partículas da terra movimentam o mundo? Tudo bem, eu também não havia pensado. Sem julgamentos. Sem estudos científicos ou algo do tipo. Apenas sobre a vida. O que já é por si só, bem confusa...

Aquela carta tinha um significado. Cada palavra escrita representava um sentimento. Uma escolha. Uma decisão a ser seguida. Apesar de pequena ela disse tudo. Já não precisava mais abri-la. Tudo estava dito em apenas três letras.

Amanhã ou semana que vem pode ser que esse fim não exista. Mas até lá, terei que conviver com a dor que não dói mais.

Desde criança, sempre pensei que nós faríamos o que quisermos com a nossa vida. Traçávamos uma meta e no fim do prazo, o pote de ouro estava lá. Pensava que ser apenas uma boa menina já bastava.

Os momentos não são assim. Eu não podia estar te contando isso. Na sua idade, eu ainda sonhava sonhos! Os pesadelos pouco me pertenciam. Seria melancólico e injusto pensar que não vale a pena o sofrimento. Quando bem digerido se torna algo bom. Faz bem gostar de mim, de você, dele e daquela outra pessoa ali também.

O amor está presente na comida que você tanto gosta de preparar. O amor está no seu travesseiro, após um dia cansativo. Ele te acompanha todo dia. Até uma saudação cordial para um mendigo é um sinal desse sentimento. Do qual, o ser humano não vive sem.

O fim está presente também. Para nos lembrarmos de que o amor é importante. Que a vida não é infinita. Que morremos todos os dias, em cada segundo que se passa.

A vida nada mais é que morrer a cada dia com a certeza de queremos mais um dia para prolongar o momento do fim.

Vanessa Silva

sábado, 7 de março de 2015

Dois Laços

Meu corpo esguio esquece toda a ética

Ao notar a sua essência poética,

No caminho ao encontro de seus lábios,

Que deixarão os meus muito mais sábios.


Que a minha postura, dita patética,

Nunca esmague tanto amor em pedaços,

Que a minha humilde compleição e estética

Jamais possa abrandar nossos amassos.


Pode o amor sumir pela força atlética

Que me falta? Isso gera embaraços? 

Não. E nem restam dúvidas posteriores 

Como já vi em outros amores depois,


Pois,
Não penses que é pura questão fonética

(Embora entre beijos existam dores) 

Que ajusta estes versos a seus espaços:

Ao navegar no mar da dialética

Inerente ao calor de seus abraços,

Vejo não ser de forma alguma cética

A união sem pudor de nossos braços.


Uma relação é mais que imagética,

É a reciprocidade de dois laços.

Rafael Cardoso

terça-feira, 13 de janeiro de 2015

Poema sem título

Nascer todos os dias é uma dádiva
morrer todos os dias é uma lástima.
Nascer não é todo dia que acontece.
Morrer também não.
Por isso eu prefiro viver.


O gosto do café não é pra sempre.
O livro não é pra sempre.
Me amar não é todo dia que acontece.
Me odiar também não.
Por isso eu prefiro viver.


Uma estrela não brilha pra sempre.
Um meteorito não colide comigo todo dia.
Acreditar em mim não é todo dia que acontece.
Desacreditar de mim também não.
Por isso eu prefiro Viver.


Viver porque se nada é pra sempre
Eu quero que seja infinito
Até o momento que eu dizer ''chega''
Eu quero escolher.
E por isso eu prefiro viver.

Larissa Cardoso

quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

Você é perfeita, mas...

Você já esteve em uma situação em que conheceu alguém, e esse alguém é aquele achado que você estava esperando a sua vida inteira?
Vocês parecem se completar em todos os sentidos, vocês se divertem, riem, falam sobre qualquer coisa e parece que finalmente as coisas estão caminhando para o que deveria, um relacionamento sadio e feliz.
E então, de repente por algum motivo divino, ele simplesmente resolve escolher outra.
Uma outra que não é tão divertida e nem tão inteligente, uma outra que ele nem gosta tanto assim, mas que por algum motivo aparente consegue ser melhor do que você no jogo da conquista.
E o pior é que muitas, inúmeras dessas vezes é alguma ex, que você sabe que é um erro, porque se um dia virou ex é porque algo deu errado... Mas que aparentemente as pessoas gostam de tentar e tentar de novo em vez de seguir adiante e ter novas experiências.
E então o seu mundo desaba, toda a conquista foi parar na lata do lixo e você não entende o que fez de errado, fica se amargurando, analisando, tentando encontrar os pontos falhos e arrumando desculpas toscas para imaginar que se tivesse feito diferente poderia ter dado certo.
Mas a questão é que quando é para dar certo vai dar, mesmo em meio ao caos, se os dois querem de verdade fazem acontecer, e então você limpa as lágrimas que estão escorrendo do seu rosto, lágrimas de decepção e frustração, lágrimas de tristeza e impotência... Ergue a cabeça e segue em frente, na imensa busca por alguém que te faça única.

Maria Amélia

terça-feira, 6 de janeiro de 2015

Rotina

Eu moro na mesma rua, na mesma casa a vida inteira, e as vezes, só as vezes, me cansa olhar para as mesmas paredes, respirar os mesmos ares, ouvir as mesmas histórias das mesmas pessoas, as vezes da uma vontade de coexistir...

Maria Amélia

segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

O Homem Perfeito!

Um homem que ainda escreva cartas 
Que ainda preze pela boa música
Que tenha ideais fortes e os conserve
Que faça do cavalheirismo um modo de vida

Um homem que olhe nos seus olhos e seja sincero
Que esteja ao seu lado nos piores momentos 
Que seja compreensivo e paciente
Que te respeite e entenda

Um homem verdadeiramente romântico em sua essência

Jéssica Curto

domingo, 4 de janeiro de 2015

Vivendo no Futuro

Estamos em 2015, a Era Digital onde a tecnologia está em alta e o avanço é acelerado.
No filme De volta Para O Futuro II vemos as tecnologias imaginadas em 1989 para o ano de 2015.
Analisando o quanto mudamos e evoluímos neste curto período de tempo, resolvi fazer uma análise dos objetos que aparecem no filme com o que temos atualmente.


Previsões reais do filme:

Cinema 3D



No filme é mostrado a possibilidade de ver filmes em situações bem reais, hoje em dia isso não é mais uma grande novidade, visto o tanto de filmes que já foi lançado neste suporte cinematográfico.

Pedidos feitos por comando de voz


Nesta cena Marty faz um pedido de refrigerante para o homem na televisão a sua frente, embora hoje não tenhamos exatamente isso, possuímos algo semelhante nos celulares com os comandos de voz que nos guiam e nos mostram o que desejamos.

Grandes televisores de tela plana


Nem em 1989 (época em que o filme foi feito) e muito menos em 1985 (epoca em que o filme supostamente se encontra) existia a ideia ou a possibilidade de termos aparelhos televisivos com uma tela tão fina ou tão grande, este foi um pensamento completamente inovador para a epoca.

Óculos Tecnológicos


Em uma cena do filme na casa McFly o filho de Marty está usando um óculos totalmente diferente e tecnológico, hoje em dia, embora ainda seja uma novidade, já possuímos os Google Glass.

Vários canais ao mesmo tempo


Ainda não assistimos mais de um canal na televisão, mas podemos considerar isto como fazer mais de uma atividade ao mesmo tempo, e você vai me dizer que não fica no seu computador ou smartphone enquanto vê o seu programa preferido?

Chamadas por vídeo


Outra novidade da epoca que muito usamos hoje são as vídeo conferências, que por muitas vezes substitui os telefonemas.

O fim dos LD's e CD's


No filme eles aparecem empilhados e presos em sacos que irão para o lixo, já nós ainda temos a venda de CD's e DVD's, mas que não são tão utilizados quanto a alguns anos atrás, com a tecnologia da internet em alta, muitos preferem baixar suas músicas e vídeos ou então guardá-los dentro de pen-drives.

Combustível reciclado


No filme o doutor Emmett usa casca de banana, uma lata de refrigerante e o resto de seu conteúdo para criar combustível no seu DeLorean.
Nós ainda não temos este tipo de tecnologia, mas já pensamos nos biocombustíveis e nos combustíveis a gás, evitando ao máximo prejudicar o meio ambiente.

Roupas Coloridas


Até os anos 2000 as roupas possuíam um certo padrão de cor, de alguns anos pra cá as cores fortes e chamativas, principalmente nas calças tem criado grande fama, o filme previu isso perfeitamente.

Jogos com movimentos


Quando Marty McFly vai à lanchonete, encontra garotinhos tentando jogar um vídeo game usando movimentos, mas Marty explica que é necessário usar a arma acoplada.
Hoje em dia já temos vários jogos que não usam mais controles, como o Kinect ou o PS Move.

Projeções no estilo de data shows


No filme o prefeito faz um discurso em uma projeção semelhante às de data shows. 
Podemos ver uma apresentação semelhante feita recentemente na Avenida Paulista em São Paulo.


Pagamento com cartão de crédito


Hoje podemos fazer compras através da internet usando apenas nossos cartões de crédito, o processo foi semelhante quando McFly apenas passou o seu cartão em um pequeno aparelho em sua própria casa.

Comidas que crescem



No filme a mãe McFly aparece com um pequeno pacote de pizza que ao colocar no microondas se torna uma pizza de tamanho real.
Muito embora nós não vejamos isto com frequência, no Japão já existem comidas que vem em pozinhos e se tornam grandes alimentos.


Aberturas com digitais


No filme não existem maçanetas, fazendo com que se use apenas a digital.
Já nós do futuro, ainda temos que ter nossas chaves, mas vemos muito isso nos celulares touch e nas senhas bancárias, algo que está se tornando cada vez mais presente em nossas vidas.

Câmeras superfinas


Não é preciso dizer o quanto essa tecnologia está presente no nosso dia a dia, com as selfies em alta é o que mais vemos atualmente.

Previsões que estão distantes de se tornarem reais:

Carros Voadores


Infelizmente ainda não temos este facilitador, muito embora os carros tenham avançado consideravelmente desde 1989.

Roupas que se secam sozinhas


Quem dera poder pegar uma chuva a caminho da reunião sem se preocupar com o estado da sua roupa, bastando apertar apenas um botão hein? 
Ainda não criamos esse tipo de sistema.

Cães que passeiam sem donos


Os animais ainda precisam da companhia de seus donos ou de um adestramento para poderem sair por ai sem se perderem.

Skate voador


Para ser sincera este é o meu maior desejo, mas infelizmente não existe nada semelhante ainda.

Como o filme se passa em 21 Outubro de 2015, vamos torcer para que algumas coisas se tornem realidade.

O mundo de hoje é rápido e exigente, a fluidez com que as novidades surgem é impressionante.
Espero que possamos aproveitar de todo este futuro em que estamos vivendo, mas sem nunca nos esquecermos da beleza e da simplicidade que a vida pode nos proporcionar ao deixarmos de lado de vez em quando toda essa tecnologia.

Jéssica Curto


sábado, 3 de janeiro de 2015

Frase do Dia

É o querer e não o poder que faz toda a diferença!

Jéssica Curto