sábado, 20 de dezembro de 2014

Crise dos cinquenta e poucos

O meu pai está nessa crise, de querer fazer festas com os amigos que sempre se negou a fazer com a família, de querer sair todo o final de semana, coisa que nunca gostou, de querer tomar cerveja, coisa que sempre disse odiar, e agora, nesta crise de querer virar menino de novo ele não está percebendo que está perdendo a família, pessoas que sempre estiveram ao seu lado e que de certa forma, sempre quiseram um pouco disso e ele sempre disse não, e agora, vendo os lugares imundos e maltrapilhos que ele vem frequentando e percebendo que ele está saindo para a gandaia sempre que pode, percebi que talvez não seja uma crise, talvez ele simplesmente não gostasse de mostrar esse lado para a família, talvez ele nunca tenha sido ele mesmo, porque provavelmente, e digo isso de coração partido e de provas concretas, ele nunca realmente gostou da família que fez...
Eu estava meio em choque, não tinha entendido, porque claro, EU não gosto desse tipo de coisa, mas agora entendi que ele gosta mesmo é de maloca, da muvuca, da pegação, do pagode alto e da cerveja gelada na mão, quem diria, um homem que sempre usou social e pagou de bam bam bam, que dizia que tudo isso era coisa de gente pobre, e hoje, os lugares que ele mais adora frequentar, são lugares pobres... Acho que rolou uma identificação estranha, ou então, uma falta de identidade, aderindo o que lhe convém ao momento.
Quando estava no meio de pessoas importantes se comportava como um homem de classe, e hoje, como mero professor público, se comporta às vezes até, um pouco pior do que seus alunos...

Maria Amélia

Nenhum comentário:

Postar um comentário