segunda-feira, 17 de junho de 2013

Morrendo para estar vivo - Capítulo 9 Rumo

Joana pediu demissão no mesmo dia mais tarde, estava farta de pessoas cruéis em sua vida, mudaria tudo!
Começou indo conhecer a tal vinte e cinco de Março e para a sua sorte, encontrou um cômodo e cozinha para alugar por um valor que ela podia bancar, é claro que o lugar era terrível e as condições eram precárias, mas ela já passara por tanta coisa que agora queria ter seu canto sozinha e batalhar por uma vida melhor.
Arrumou um trabalho de balconista em uma loja de vestimentas masculinas e ganharia devido a sua comissão, e a danada vendia, fosse pela sua simpatia ou porque seu corpo escultural chamava a atenção dos homens, o que importava é que a cada mês conseguia um pouco mais de dinheiro, assim, em um ano ela já tinha juntado o suficiente pra poder se mudar para um lugar mais apropriado, uma pequena casinha de quarto, sala e cozinha, ainda simples, porém em um lugar mais descente.
Era uma menina batalhadora e esforçada, voltou a estudar e concluiu o ensino médio, mas não pense que ela esqueceu uma vez se quer de sua querida amiga Maria Antonieta, ela ainda voltaria para buscá-la, tarde demais infelizmente, a garota já não pertencia mais a este mundo, mas para a sua felicidade descobriu que a velha que tanto desgraçou a sua vida, fora presa em exílio depois de uma denúncia dos vizinhos que escutavam diversas vezes as crianças berrando, uma investigação aprofundada foi feita e se confirmou o quanto ela era cruel. O que ocorreu depois, ninguém sabe.
A vida seguiu seu rumo e uma garota pobre, que foi deixada em uma lata de lixo em uma noite qualquer sem saber o motivo do abandono, sofrendo nas garras de uma bruxa que abusava das crianças para conseguir prestígios para si, lutou para chegar a algum lugar, e isso era o mais importante, a vontade de viver não permitia abandonar seus sonhos jamais.
Com vinte e oito anos ela conheceu Celso, um belo jovem de sorriso largo e cabelos bagunçados cor de caju, que também sofrera muito na família que vivia, tendo um pai alcoólatra e uma mãe drogada.
Começaram a se gostar e dessa pureza nasceram duas crianças lindas ao qual Joana sabia, custasse o quanto custasse, ela jamais os abandonaria, seus filhos teriam tudo o que ela e seu marido não puderam ter, a vida amarga ensinava, mas ela guardaria seus relatos para contar dali alguns anos, através de uma breve história que serviria de aviso e modelo para muitos, e quem sabe, fosse acolhedor para dar luz aqueles que estivessem na escuridão e mostrar que nada é impossível quando se tem vontade.
Assim, Joana seguiu seu rumo, com muitos altos e baixos, mas conseguiu enfim ser feliz!

Fim

Jéssica Curto


Nenhum comentário:

Postar um comentário