domingo, 7 de outubro de 2012

Monstro preferido

Era uma tarde de inverno, o vento batia forte nas velhas janelas.
Ela olhava para o céu nublado e mantinha os pensamentos distantes, estava nele novamente.
O coração batia forte, estava com saudades do seu monstro tão belo.
Os galhos secos das arvores do lado de fora chacoalhavam fortemente.
Ela suspirou, os dedos tamborilavam de leve em cima da mureta da janela.Seria mais um dia esperando por ele, que provavelmente não apareceria.
Estava sentindo saudades, mas ele não queria saber de sua amada, estava depressiva por causa disso.De repente viu uma movimentação entre as plantas, seus olhos se atentaram para mais fundo do jardim e um sorriso estampou de seus lábios.
Lá estava, imenso e coberto de pelos negros que esvoaçavam, ele a encarava, os olhos fixos, o rosto duro.
Ela queria correr até ele e agarrá-lo, mas sabia que não podia.
Ele uivou profundamente, deu as costas e voltou a correr floresta a dentro.
Mais dois dias e teria seu amor em seus braços, enquanto isso, teria de se contentar com aquela visão parca de seu monstro preferido.

Jéssica Curto



Nenhum comentário:

Postar um comentário