segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Doces sonhos

Eu preciso contar uma coisa... Mas não é uma coisa tão simples quanto pode parecer...

Há um tempo eu tive um sonho estranho, mas que eu nunca me esqueci.
Eu estava em frente a uma casa bonita, com um jardim esplendido e um carro vermelho estava estacionado logo em frente.
-Mamãe, fica!
Foram essas as palavras que aquela pequena garotinha de longos cabelos negros disse enquanto me observava, e eu senti provavelmente o pior sentimento do mundo, foi como se meu coração estivesse sendo destruído naquele instante por não poder atender ao pedido daquela garotinha, aquela pequenina garotinha que tinha me chamado de mãe.
Eu me lembro de ter engolido em seco, então eu vi um chumaço de cabelos negros como os dela atravessarem do outro lado do carro e sumirem.
-A mamãe não pode, mas eu prometo que volto, filha.
Eu respondi como se tudo aquilo fosse absolutamente normal, ela me abraçou e eu acordei.
Eu me lembro como se fosse ontem, aquele pequenino rostinho olhando para mim...

Eu preciso contar uma coisa, mas não é tão simples quanto parece...

Essa manhã eu tive um sonho estranho, estava em uma sala rodeada por pessoas que nunca vi, e então, um homem loiro de cabelos cacheados me chamou de amor, mas foi seco, foi grosso... E então ele desapareceu, mas eu não sei bem o que houve, não consigo me lembrar, talvez não fosse tão importante assim...
-E então, cadê ele?
Eu perguntei e senti a porta atrás de mim se abrindo. Um homem alto, de cabelos negros e rosto bonito veio em minha direção e me abraçou fortemente, como quem sente uma saudade de mil anos, como se não quisesse me soltar.
Eu o abracei de volta, e lhe beijei a face docemente por diversas vezes, os pelos ralos de sua barba me pinicavam os lábios, me irritando um pouco.
-Não sei, não gosto dessa sua barba...
Ele me olhava com um carinho indescritível.
-Se é esse o problema, não existe mais problema, faço o que você quiser pra te agradar!
E então ele desapareceu.
-Mas o nome, o nome!
Pensei ou berrei, não sei apenas me veio.
-Ricardo...

De repente não é tão simples quanto parece...

Uma paisagem maravilhosa se encontrava a minha frente, era por do sol e árvores e grama eram tudo o que existia naquele local, entre meus braços estava uma jovem garota de longos cabelos negros, eu a abraçava docemente, com um amor que nunca senti antes.
-A gente se vê mãe.
E então ela partiu para o grande campado.

Acordei com uma sensação boa, como se tudo aquilo fosse real, com uma alegria e ao mesmo tempo uma saudade...

Não é tão simples quanto parece, gostaria que fosse, gostaria que tudo isso fosse real, gostaria que aquela garotinha fosse minha filha, que aquele homem fosse meu marido, gostaria que essas pessoas existissem além do meu sonho, gostaria de viver e ter essas sensações tão únicas!

Não sei o que significa, mas precisava dizer que, estejam onde estiverem, eu os amo demais!

Jéssica Curto


2 comentários:

  1. Lindo texto, um belo sonho que todos queriam como realidade.
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
  2. Muito obrigada Rose, este com certeza foi bem real.

    Beijocas!!

    ResponderExcluir