segunda-feira, 23 de julho de 2012

Escuridão de fevereiro (1°)


No alto da montanha onde mora a tempestade
Dopando as emoções
Instantes instantâneos de desilusão
Conte-me a vida que leva
Aquela que deseja ter
Porque se sente e se esconde
Na escuridão de fevereiro
Isso é uma noite
Que nunca se deve repetir
Nem virar alguma poesia
Corações divididos em visões paradisíacas
Nos desertos arenosos
Porque esta inquieta inquietação
Selada e enviada manifesta sussurrando
Estendida em falsa calma
Muitas teses e coisas pra definir o que temos a dizer
Conte-me suas preces
Prove do amargo mel
Outros versos persistentes
Ácidos como lima
Suaves como rochas
Outro universo de desculpas.

Leonardo Ragacini

Nenhum comentário:

Postar um comentário