domingo, 21 de novembro de 2010

Soneto da Não Despedida

Se pudesse esse seria meu último poema,
Pois o brilho no olhar não existe mais,
Se pudesse esse seria meu último poema,
Sei que já não sou capaz.

Esse seria meu último poema,
Pois não vejo mais flores,
O sol já faz tempo que sumiu,
E levou consigo o calor que trouxe.

A brisa sopra entre meus cabelos,
Chamando-me para a escuridão do oceano,
Uma parte do grande azul desse pela minha face.

Ouço uma última canção,
A mais monótona e grave de todas,
Linda e letal, forte e fatal.

Lucas de Figueiredo

Uma honra ter seus poemas em meu blog, não pare com isso jamais! Você tem um dom incrível!!

J.H.C


2 comentários:

  1. Nossa!
    Curti muito esse poema :D
    muito interessante essa forma de se expressar
    sou nova nesse lance de blogs se tiver interesse visite meu blog
    http://dapraentende.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Fico feliz que tenha gostado.

    Eu também estou entrando nesta arte há pouco tempo, mas digo, vá a luta e não desista, é um trabalho árduo, mas se gostar, vai ver o quanto é gratificante.

    Não tenha medo de se expressar.

    visitarei-a sim com o maior prazer ^^

    um beijo.

    J.H.C

    ResponderExcluir